A Cruz Vermelha Brasileira, sociedade civil filantrópica e sem fins lucrativos que, através de suas filiais distribuídas em todo território nacional, busca minorar o sofrimento humano e proporcionar a paz duradoura entre todos os povos.

 

A Cruz Vermelha Brasileira - Rio de Janeiro trouxe para o Estado toda a filosofia desta reconhecida Sociedade Internacional de Socorros, auxiliando os poderes públicos em épocas de conflitos armados, e através do Comitê Internacional da Cruz Vermelha faz a fiscalização das Convenções de Genebra e promove a difusão do Direito Internacional Humanitário.

 

Em tempos de paz, como é do conhecimento geral, as metas difundidas pela Federação Internacional de Cruz Vermelha são reduzir o impacto dos desastres naturais, das doenças e epidemias, aumentar a capacidade das comunidades locais, tratar as situações de vulnerabilidade mais urgentes, diminuir a intolerância, a discriminação e a exclusão social além de promover o respeito pela diversidade e a dignidade humana

 

A Cruz Vermelha trabalha ajudando a quem precisa. A instituição faz parte do Movimento Internacional da Cruz Vermelha e do Crescente Vermelho, consideradas as maiores redes humanitárias do mundo. Neutro e imparcial, o movimento oferece proteção e assistência à pessoas afetadas por desastres e conflitos armados, e conta, atualmente, com cerca de 97 milhões de voluntários, parceiros e colaboradores que atuam em 192 países. No Brasil, a Cruz Vermelha está presente desde 1908, levando ajuda humanitária seja para pessoas atingidas pela seca no Nordeste seja para quem sofre permanentemente com as enchentes no Rio de Janeiro.

 

A Cruz Vermelha atua em todo o mundo, baseada em sete princípios fundamentais: humanidade, imparcialidade, neutralidade, independência, voluntariado, unidade e universalidade. Suas ações no cumprimento de sua missão humanitária estão voltadas para as seguintes áreas essenciais: saúde, educação, socorros, juventude, voluntariado e meio ambiente. Atualmente, a Cruz Vermelha Brasileira está distribuída em quase todo o território nacional por meio de 23 filiais estaduais e em mais de 100 municípios, contando com um quadro de cerca de 30 mil voluntários cadastrados em todo o Brasil.

 

A filial se sustenta por meio meio de doações espontâneas, promoção de cursos e palestras em empresas privadas, além da administração de convênios de gestão de saúde.  Aos interessados em ajudar, a Cruz Vermelha oferece capacitação para voluntários.

 

O carro-chefe ainda são os Primeiros Socorros e, atualmente, em cumprimento à Lei nº 7447/2016, que dispõe sobre a afixação de cartazes explicativos e de treinamento dos professores sobre as técnicas conhecidas como “manobra de heimlich” e “tapotagem” em creches públicas e particulares no estado do Rio de Janeiro. A instituição está capacitando funcionários da rede de ensino do Rio de Janeiro para o primeiro atendimento com o objetivo de salvar vidas e amenizar sequelas até o socorro especializado chegar.

 

Hoje, o trabalho voluntário ou a doação financeira é mais aparente em situações emergenciais. Lamentavelmente, em períodos de normalidade a instituição sofre sem ajuda necessária à sua sobrevivência. Muitas vezes, quando o problema sai da mídia, muitos abandonam o cenário de calamidade. Nesta hora, os voluntários da Cruz Vermelha fazem um trabalho solitário e pouco reconhecido. Temos alguns bons parceiros, porém, certamente se mais tivéssemos, mais faríamos. Para ser um voluntário ou fazer doações, basta entrar em contato a Cruz Vermelha de cada região.